Hora do Mergulho

drop

Não passasse o Niágara de uma catarata de areia, viajaríeis mil milhas para vê-la? Por que o pobre poeta do Tennessee, ao receber inesperadamente dois punhados de prata, hesitou em comprar um casaco, de que ele tristemente necessitava, e gastar seu dinheiro numa viagem a pé à praia de Rockaway? Porque quase todo rapaz robusto e sadio, de alma robustae sadia dentro dele, numa ocasião ou noutra fica louco para ir para o mar? Por quê, em vossa primeira viagem como passageiro, vós  mesmos sentistes uma vibração tão misteriosa, quando vos disseram pela primeira vez que vós e o navio já não podíeis divisar a terra? Por que os antigos persas consideravam sagrado o mar? Por que lhe atribuíram os gregos um deus especial, o próprio irmão  de Jove? Por certo tudo isso não deixa de ter sentido.  E ainda é mais profundo o sentido daquela história de Narciso, que, por não poder pegar a imagem atormentadora e suave, mergulhou nela e afogou-se. Mas essa imagem, nós mesmos a vemos em todos os rios e oceanos. É a imagem do inegarrável fantasma da vida; e esta é a chave de tudo.

Trecho de “Moby Dick”,  de Herman Melville, em homenagem aos copos de água destes finais de semana cada vez mais abstêmios.
Foto de http://www.flickr.com/photos/stevewall/
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s